Ressurreição

É madrugada,
há um silêncio no ar…
por um instante o soluço parou,
a tristeza dormiu
e o pranto cessou!

Na barra do novo dia
brilha sorridente o sol da alegria.

O ventre da terra contraiu-se,
a natureza gemeu em santo parto,
reuniram-se todos os átomos
da força energética da vida…

O Pai é o parteiro presente,
anjos e mulheres o auxiliam;
os guardas, homens armados,
cochilam frágeis e inofensivos.

Poderosos: sacerdotes, Herodes, Pilatos…
com o remorso do crime no estômago,
sofrem pesadelos.

O túmulo rompeu-se e a pedra rolou!
Eis que de pé,
vitorioso, renasce Jesus!

Do infinito parto da Natureza e do Céu
ressurge livre e vencedor
o Filho Amado…
ontem morto e enterrado.

Termina, enfim,
a teimosia cansativa entre o homem
e seu Criador.
Alguns lençóis, placentas inúteis,
restos da morte
que agoniza, faixas manchadas do pecado vencido.

Voam pelo ar, no chão em festa, feito jardim
por onde passeia sorridente
o jardineiro imortal.

Tudo é surpresa e espanto;
tudo é certeza e encanto.

Os convidados e seguidores cantam alvíssaras;
Maria, a mulher escolhida,
suspira aliviada e segura;
uma lágrima feliz terá corrido rápida…

E nós somos benditos,
enquanto os filhos da morte,
envergonhados, insistem em combater.

De boca em boca, de casa em casa,
de nação em nação
corre veloz a notícia feliz:
“Jesus ressuscitou!”

Quem crê, saia depressa, correndo
atrás de Madalena, de Pedro e de João…

A vitória será sempre da VIDA!
E cada esforço, cada luta,
cada gota de sangue derramado,
pela justiça não terá sido em vão…

A última palavra será: RESSURREIÇÃO!

(JOSÉ VICENTE – in “Tempos Urgentes”)

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pastoral da Saúde Rio

FREE
VIEW